segunda-feira, 14 de junho de 2010

4 tempos 4 semanas 28 dias Uma eternidade....

Hoje quando entrei no quarto levei um grande susto... o Tomás estava
sentado na cadeira, me encarando com os dois olhos super abertos. Se
não fosse informado acharia que ele estava pronto pra falar - "bom dia
Marcos...." - tudo bem, ainda não foi hoje....eu aguardo.

Completamos 4 tempos, pela óptica médica tudo evolui muito acima do
esperado...pela óptica do tio tudo evolui, mas quero muito mais... Sei
que vou ter mais, mas tenho que ter paciência.....e como é difícil
ter paciência...

Se pensamos em 4 semanas vemos que ele evoluiu muito e que "está muito
bem".... mas não é fácil concordar que "está muito bem" alguém que
respira por uma "traqueo" e se alimenta por uma "endo...gastro"... não
se comunica, não se movimenta muito... MAS VAMOS EM FRENTE... ele
está de fato evoluindo muito bem... o difícil é se adaptar ao novos
parâmetros e referencias.

É isso aí Zézinho.... mais uma semana que se completa e o caminho
continua sendo percorrido.

ÂNIMO TIO MARCOS !!

PS - a primeira "operação banho de chuveiro" demorou duas horas....
santos enfermeiros !!

11 comentários:

  1. É isso aí, ânimo, tio Marcos!!!
    Afinal, vcs todos são grandes lutadores e, certamente, serão vitoriosos nessa grandiosa batalha.
    Continuaremos com pensamento sempre positivo!
    Um super beijo, com muito carinho,
    Marta e Flavio

    ResponderExcluir
  2. Realmente, Marcos, uma eternidade!
    Também concordo que é dificil nos satisfazermos com esse "muito bem", mas de fato meu amigo tem se recuperado de maneira acima da média. Com certeza logo o R estará 100% e muito bem de verdade!!
    Ânimo para você e todos nós que enfrentamos junto com o R essa batalha longa, mas que vem sendo vencida etapa a etapa.
    Um abraço
    Tho

    ResponderExcluir
  3. É Marcolino, ânimo, muito ânimo para todos nós...
    É estranha esta relação com o TEMPO, por um lado são 4 tempos e uma grande evolução, às vezes parece que ainda estamos saindo da estaca zero, às vezes parece que o acidente foi ontem, agora mesmo, tamanho é o choque ao acordar de manhã e ver que tudo é mesmo verdade, o Tomás sofreu um acidente, não foi só um pesadelo.
    E ainda às vezes, parece que estas quatro semanas passaram tão devagar...cada segundo foi sentido, vivido, sofrido.
    Temos que administrar as ansiedades e expectativas e isso é um gerenciamento difícil. Ir vivendo cada dia, cada etapa esperando MUITO, mas tendo espaço interno para ESPERAR, ativamente ESPERAR. Tudo, fazer TUDO o que for possível para lhe dar condições de lutar como ele tem lutado, o Tomás tem se mostrado um guerreiro...
    ÃNIMO Marcolino, muito ÂNIMO !!!!
    ELE ESTÁ CHEGANDO, O TOMÁS ESTÁ VINDO, DEVAGARINHO ELE ESTÁ VOLTANDO!!!!
    Logo logo ele estará lendo este blog...e estará MUITO FELIZ por ter tido a sorte de ter um tio como você.

    ResponderExcluir
  4. Força Marcos!!! Mais uma vez você traduz em palavras o que sentimos quando nos aproximamos do Tomás. Acreditamos que ele está muito bem devido a certeza do Dr. Marcos. Então vamos lá! Ele está fazendo um grande esforço, tenho certeza disso, assim como todos nós quando respeitamos e aceitamos com muito amor esta nova fase do Tomás. Mas a Bia tem razão, "ELE ESTÁ CHEGANDO, O TOMÁS ESTÁ VINDO, DEVAGARINHO ELE ESTÁ VOLTANDO!!!!" e quando isto acontecer vai poder sentir todos os nossos abraços e beijos.
    O tempo passa devagar a cada dia, na ansiedade de termos mais boas notícias, mas também vamos perdendo a referência deste tempo que costumamos contar. E mais uma vez devemos lembrar que o tempo é OUTRO!
    Estamos juntos com o Tomás. Força e um grande abraço a todos desta ENORME corrente!

    ResponderExcluir
  5. Marcos,
    a Bia tem razão. O Tomás tem e terá o enorme privilégio de ter você como tio, tão sensível,tão verdadeiro e tão próximo.
    E vai poder agradecer por esse blog para ajudá-lo a entender um pouco do que se passou com ele e da enorme corrente de afeto que se formou ao seu redor.
    Elisa

    ResponderExcluir
  6. Tomás, ontem depois de te ver... escrevi.
    Bjs
    Di

    Areia

    A menina é pequena, três anos ou quatro. Corre pela praia, com excitação transparente. Vai de um lado a outro, olhando ainda temerosa as ondas que se aproximam. Molha os pés, deixa os dedos afundarem na areia molhada, vai diminuindo de tamanho. Sorri para o mar como se ele pudesse ouvi-la. Tenta tirar então o pé, um pouco de força, desequilíbrio e logo está sentada na onda. Novo sorriso, alegria.
    Então o sol se vai. A nuvem cobre o céu e os respingos começam. Braços adultos a socorrem dali, deixando o riso rolando solto, molhado.
    A menina chora, resiste, mas é vencida. Mais tarde, de volta, está ela, mesmo rosto, mesmo cenário, mas diferente em tudo. Os pés trazem sapatos de couro, fechados para a natureza. As pernas e braços escondem a pele do vento, da água, como se fossem ferir. A menina, presa, fica girando dentro de si mesma. Quer a água, mas não pode. Quer sentar, mas não deixam. Quer tocar, mas é impedida. Chora quieta, muda, pois sabe que se gritar, perderá até mesmo o cenário. Lembra-se então do graveto, visto enquanto o sol ardia. Pega o pedaço de pau e começa a riscar a areia. Difícil, risco grosso, apertado, risco fino, sem se ver. Desenha na areia molhada e quase consegue sorrir. Então, de repente, a onda vem e apaga o que fez. A menina para, incrédula com a maldade do mar. O graveto ondulando com o vento quase cai de sua mão. Mas, não lhe resta alternativa, então, mais uma vez, imprime seu desenho. O mar, o graveto, vezes sem fim, até que, no dia seguinte, possa desfrutar de novo dos pés descalços e sorrisos leves.

    ResponderExcluir
  7. Vai Tumáis!!
    ... conseguindo formar seu castelo de cartas tão "rápido"...
    me ensina!?

    ResponderExcluir
  8. Sempre falo para minha mãe, que se eu pudesse escolher algumas pessoas para se tornarem pessoas da minha família, eu começaria por vocês ( Marcos, Di e Laurinha fofa). A minha admiração começa lá atrás...Lembro direitinho da Di no hospital quando o meu pai estava internado, na força que vocês deram para a minha mãe e consequentemente para mim e para o meu irmão. Depois ficava admirando essa linda e companheira amizade que vocês criaram com a minha mãe e o cuidado e atenção que tinham com nós três. Ali já achei qeu tivesse chego no topo da minha admiração, vocês tiveram uma imensa responsabilidade em levantar a minha mãe, trazer ela de volta para a vida. Vou ser grata para sempre. Agora descubro que a minha admiração nunca vai parar de crescer. Vocês são pessoas iluminadas. Vendo esse amor e a maneira como estão lutando pelo Tomás... Fico emocionada...e sempre brinco com a minha mãe...perguntando para ela se posso "contratar" vocês como minha família...
    Acredito na força do amor e do bom pensamento. Por isso não tenho dúvidas de que apesar do processo lento, o Tomas vai ficar bem e vai abrir os olhos e agradecer todos os dias pela família maravilhosa que tem.

    Um beijo com muito carinho,

    Marina van de Kamp

    ResponderExcluir
  9. "Escutai! se as estrelas se acendem será por que alguém precisa delas? Por que alguém as quer lá em cima? Será que alguém por elas clama, por essas cuspidelas de pérolas? Ei-lo aqui,pois,sufocado, ao meio dia, no coração dos turbilhões de poeira; ei-lo, pois, que corre para o bom Deus, temendo chegar atrasado, e que lhe beija chorando a mão fibrosa. Implora! Precisa absolutamente duma estrela lá do alto! Jura! que não poderia mais suportar essa tortura de um céu sem estrelas! Depois vai embora, atormentado, mas bancando o gaiato e diz a alguém que passa:"Muito bem! assim está melhor agora, não é? não tens mais medo, hein?" Escutai, pois! Se as estrelas se acendem é porque alguém precisa delas. É porque, em verdade, é indispensável que sobre todos os tetos, cada noite, uma única estrela,pelo menos, se alumie." Maiacovsky
    Esperança Marcos, estamos caminhando...
    c.harari

    ResponderExcluir
  10. A todos da sempre amiga Família Reinach, as melhores vibes pela rápida e completa recuperação do Tomás. Abraços e beijos gerais, Renato Mortara

    ResponderExcluir
  11. Marcos, estou acompanhando diariamente a recuperação do Tomás, mesmo não os conhecendo, acabei conhecendo a história e cá estou..
    Ontem ouvindo essa música, lembrei do que você havia escrito aqui, vai a letra: Lenine - Paciência

    Mesmo quando tudo pede
    Um pouco mais de calma
    Até quando o corpo pede
    Um pouco mais de alma
    A vida não pára...

    Enquanto o tempo
    Acelera e pede pressa
    Eu me recuso faço hora
    Vou na valsa
    A vida é tão rara...

    Enquanto todo mundo
    Espera a cura do mal
    E a loucura finge
    Que isso tudo é normal
    Eu finjo ter paciência...

    O mundo vai girando
    Cada vez mais veloz
    A gente espera do mundo
    E o mundo espera de nós
    Um pouco mais de paciência...

    Será que é tempo
    Que lhe falta prá perceber?
    Será que temos esse tempo
    Prá perder?
    E quem quer saber?
    A vida é tão rara
    Tão rara...

    Mesmo quando tudo pede
    Um pouco mais de calma
    Mesmo quando o corpo pede
    Um pouco mais de alma
    Eu sei, a vida não pára
    A vida não pára não...

    Será que é tempo
    Que lhe falta prá perceber?
    Será que temos esse tempo
    Prá perder?
    E quem quer saber?
    A vida é tão rara
    Tão rara...

    Mesmo quando tudo pede
    Um pouco mais de calma
    Até quando o corpo pede
    Um pouco mais de alma
    Eu sei, a vida não pára
    A vida não pára não...

    A vida não pára...

    E um link para o vídeo: http://letras.terra.com.br/lenine/47001/

    Abraços e força, sempre!

    ResponderExcluir