sexta-feira, 4 de junho de 2010

Olhos abertos 2

A primeira vez que me falaram que o Tomás estava de "olhos abertos" imaginei vê-lo de olhos arregalados, olhando tudo.... Decepção, só vi um olhar "meia-fase"....mas fiquei feliz.

Hoje já vi ele com o olho bem aberto, e percebo que ele já "está vendo".... mas sei que ainda vou achar o de hoje "pouco".

Assim é que percebo que o tempo de espera é longo....mas recompensado por pequenos passos" (por enquanto entre aspas).

3 comentários:

  1. Um degrau de cada vez, uma cartinha recolocada de novo no seu devido lugar... A estrada é longa, mas estamos todos prontos para percorrê-la, leve o tempo que levar. Marcos, Di, Henrique, Maria Cláudia, Lygia... Estou aqui sempre, com vocês... De coração, um beijo enorme.

    ResponderExcluir
  2. tenho certeza que ele teria aberto mais se fosse alguém 'um pouco mais bonito'... mas você é lindo, titio... com certeza (:

    ResponderExcluir
  3. Olá Marcos, Henrique, Tomás e Família!
    Um dos personagens de um livro que estou lendo é um varredor de rua que julgava seu trabalho muito importante e o fazia de maneira regular: a cada passo uma respirada, a cada respirada uma varrida. Passo - respirada - varrida. E dizia:"Às vezes temos à nossa frente uma rua muito comprida. Achamos que ela é terrivelmente comprida e que nunca seremos capazes de chegar até o fim. Então começamos a nos apressar. E nos apressamos cada vez mais. Cada vez que levantamos os olhos temos a impressão de que o trabalho que temos pela frente não diminuiu em nada. Nosso esforço aumenta, começamos a sentir medo, acabamos ficando sem fôlego e completamente esgotados. E a rua continua inteirinha na nossa frente, tão comprida quanto antes. Não é assim que se deve fazer. Nunca devemos pensar na rua inteira de uma vez. Devemos pensar apenas no passo seguinte, na respiração seguinte, na varrida seguinte, e continuar sempre pensando só naquilo que vem a seguir. De repente, verificamos que, passo a passo, chegamos ao fim da rua comprida, sem perceber e sem perder o fôlego."
    Inevitável não ligar este trecho a esse momento de vida do Tomás.
    Estou com vocês, a cada passo, e continuo à disposição para toda e qualquer ajuda.
    Um forte abraço,
    Ana (mãe da Juliana Pirró)

    ResponderExcluir