domingo, 26 de setembro de 2010

SOZINHO

Olá,

Na última sexta-feira o Henrique teve uma reunião com A dra. Sonia (fisiatra), Dr. Marcos e a e aquipe que é responsável pela rehabilitação do Tomás. Ele teve ótimas notícias. O Tomás passou para um novo nível em termos de cognição. Existe uma escala, "Rancho los Amigos" (o site é interessante), que é utilizada para avaliar pacientes com trauma cerebral que vai de 1 à 8. O Tomás passou do nível 4 para o nível 5. Ele deixou a etapa de agitação e agressividade e entrou em uma etapa de mais consciência. Neste estágio as necessidades do Tomás mudaram e para que ele continue evoluindo o melhor possível devemos mudar nossa maneira de proceder em relação às terapias. Por ordens médicas de agora em diante o Tomás deve estar nas diversas terapias sozinho com os terapeutas. Não devemos mais ficar presentes em nenhum momento que ele esteja sendo atendido.

Por que? Ele se encontra em um estágio em que percebe suas dificuldades e limites e é muito difícil para ele estar sendo observado. A nossa intenção é a melhor possível, queremos dar força, ajudá-lo, acompanhá-lo, saber de suas evoluções e apoiá-lo no que for possível. Mas, no estágio em que se encontra, isso o inibe e ele muitas vezes não se sente à vontade para errar, acertar, enfim reagir de maneira natural. É fácil compreender a situação quando pensamos em situações pelas quais já passamos e que foi necessário procurarmos profissionais diversos tais como fisioterapeutas, psicólogos, fonoterapeutas ou outros. Nessas horas seria muito constrangedor ter uma outra pessoa junto, ouvindo nossos problemas, vendo-nos tentar levantar o braço acima do ombro(sem conseguir), ou repetindo a mesma palavra quinhentas vezes até ela sair corretamente. Agora é só pensar no Tomás há quatro meses tendo todos seus movimentos observados, sendo centro de atenção 24 horas por dia e sem privacidade alguma. Mais uma vez, isso tudo é parte da sua evolução e isso acontece exatamente para dar o melhor possível para ele. Mas agora a equipe médica pediu para o deixarmos sozinhos com os terapeutas, fisioterapeutas, fonos, neuro-psicóloga, terapeuta ocupacional e no centro de rehabilitação. Podemos acompanhá-lo até a porta do centro, mas não devemos entrar. Nem mesmo as cuidadoras poderão estar presentes. Falo isso com dor no coração pois sei e sinto a vontade de cada um de nós de estar perto dele, acompanhar as evoluções, etc... Como disse a Cristina,..."queria ser uma formiguinha e saber o que se passa na sala da fono"...De agora em diante e espero que cada vez mais, as coisas estarão mais nas mãos do próprio Tomás. Podemos pensar nesse pedido da equipe médica como um grande passo do Tomás no caminho de readquirir sua autonomia.

É isso.
beijos a todos,
boa semana,
obrigada,
bia

Um comentário:

  1. Hoje seguindo as novas orientações Diva e eu saimos do quarto durante a sessão de fono e de fisioterapia. A fono de hoje era diferente, pois era folga da Ana. Ela no final comentou que o Tomás havia colaborado muito e que a sessão tinha sido excelente. As fisoterapeutas comentaram que o Tomás colaborou o tempo todo. Ele caminhou pelo corredor e na volta se jogou na cama. Estava exausto.
    Conclusão: a equipe está certíssima!!!!
    Que ótimo. E eu corrigi todos os livros dos meus alunos durantes as sessões do Tomás.
    Isso só fará o Tomás ficar mais a vontade para continuar se recuperando.

    bia

    ResponderExcluir